1

FESTIVAL INTERNACIONAL LATINO AMERICANO DE TEATRO DA BAHIA-FILTEBAHIA

OCO TEATRO LABORATÓRIO© 2019

PPGAC - UFBA e FILTEBAHIA

 PROGRAMAÇÃO COLÓQUIO

Local: Teatro Martim Gonçalves

SEGUNDA | 28 DE AGOSTO

9H00

Método das ações Físicas ou

O Sistema Stanislavski em ação.

com Elena Vássina (USP)

Aimar Labaki (Mediador)

Por meio da palestra queremos apresentar uma visão histórica e teórica sobre o Sistema de Stanislávski. O enfoque especial será dado ao último período da busca teórica e prática de Stanislávski, um dos momentos mais intensos de suas descobertas metodológicas do Sistema quando o mestre começa a trabalhar sobre o que ele chama do “novo método” dos ensaios, ou seja, do “método das ações físicas”.
.

..............................................

SEGUNDA | 28 DE AGOSTO

11H00

O processo de criação e a reinvenção de si e do mundo.

Meran Vargens (UFBA)

Gilsamara Moura (Mediadora)

​​

Trata-se do saber de experiência de Meran Vargens que   disponibiliza à construção poética seu arsenal de estratégias de jogos teatrais e de práticas físicas, vocais, dramatúrgicas, improvisacionais, interativas e interpretativas e, como face da mesma moeda, revela a busca pessoal pela consciência e cuidado de si presentes no estudo prático e sistemático dos campos de energia sutil do corpo humano, do Healing, dos aspectos somáticos das terapias corpóreo vocais e práticas de meditação.

.

..............................................

TERÇA | 29 DE AGOSTO

9H00

 

Teatro Múltiplo Uno

com Fabio Vidal (Território Sirius Teatro) - Bahia

Daniel Becker (Mediador)

..............................................

Demonstração de princípios, elementos e procedimentos utilizados para a preparação para a cena e para construção de personagens e espetáculos do repertório de Fabio Vidal junto ao Território Sirius Teatro.

TERÇA | 29 DE AGOSTO

10H00

Como fazer juntos?

com Felipe Assis e Rita Aquino (Bahia)

Daniel Becker (Mediador)

Em uma perspectiva de trabalho marcada pela relação com o outro - inscrita tanto na articulação criação / formação, quanto na investigação de possíveis relações com diversos públicos -, propomos ambientes de colaboração nos quais, na contramão das habilidades específicas, interessam-nos estratégias de composição que se aproximam das noções de estética relacional, pós-produção e readymade.

TERÇA | 29 DE AGOSTO

12H00

MÁQUINAFATZER: desmontagem e processo criativo

com Teatro Máquina (Ceará)

Daniel Becker (Mediador)

..............................................

Fala pública do grupo, intercalada com o estudo de cenas do espetáculo, em desmontagem. Nessa atividade pretendemos abrir o processo criativo do espetáculo Diga que você está de acordo! MÁQUINAFATZER e, em certa medida, também tratar dos procedimentos criativos e dos princípios estéticos que norteiam nossos interesses como artistas de teatro. Nessa fala pública decupamos algumas cenas do espetáculo e assim vamos revelando as formas de criar desse trabalho e as escolhas da encenação. O estudo da encenação e do trabalho dos atores através de cenas do espetáculo revela as escolhas relativas às noções de tempo e espaço. O espetáculo enclausura os desertores em espaço reduzido, que se expande enquanto se destrói, em dilatação física e metafórica da guerra. Nele o espaço se torna corpo e dramaturgia, nos quais se discute as formas de aniquilamento engendradas pelo próprio homem. O tempo, por sua vez, está carregado de um passado-presente-futuro que convoca aproximações com os extremos da violência e das guerras atuais.

..............................................

QUARTA | 30 DE AGOSTO

9H00

Imagens´Pensamento em estratégias poéticas para o ator-animador.

com Sônia Rangel.(UFBA)

Hebe Alves (Mediadora)

Fundamentando criativamente um universo poético inerente ao pensamento de descentramento humano que modificou todas as artes desde a passagem para o seculo XX até hoje e, em específico, as artes visuais com a introdução do corpo, dos objetos e dos conceitos, para chegar ao particular das formas animadas, ou do teatro de objetos, a forma contemporânea desta estética teatral, trata-se de uma conversa, explorando as fronteiras de um universo poético em visualidade-teatralidade, a relação corpo-voz-movimento com objetos e materiais na criação de narrativas do drama lírico, associada aos modos operacinais de encenações do grupo de teatro Os Imaginários e com a abordagem artístico-compreensiva de uma dramaturgia contingente e específica para os processos criativos grupais adotada pela professora.

QUARTA | 30 DE AGOSTO

10H00

Arlequim Pós-Moderno: pode um ator servir a Ibsen e  a Bob Wilson ao mesmo tempo?

com Aimar Labaki (São Paulo)

Hebe Alves (Mediadora)

..............................................

O ator em formação hoje é colocado diante de uma falsa questão: ou é um técnico que está preparado para as necessidades do mercado ou  é um artista-criador, com estofo intelectual e expressivo para ser o motor da construção cênica.  Mesmo se ficar fora do mercado de entretenimento, lhe serão cobradas aptidões e treinamentos distintos - quer seja para integrar uma montagem "textocêntrica", para participar da construção de um espetáculo dialético, ser instrumento de um diretor-autor como Bob Wilson, ou se lançar no universo da auto-expressão. E também essa é uma falsa questão. A formação é uma só. E, no entanto, na prática, não o é.

QUARTA | 30 DE AGOSTO

11H00

O Treinamento do ator

com Gianluca Barbadori - El Hormiguero Teatro  (Colômbia/Italia)

Hebe Alves (Mediadora)

Todos os artistas treinam cotidianamente para desenvolver o seu nível de exigência e qualidade do seu trabalho. Todos, dançarinos, músicos, escritores, pintores, escultores, mas os atores não treinam cotidianamente. Em proporção ao ofício e as demandas, são poucos os atores que treinam. Um erro fatal: um ator precisa desenvolver uma quantidade enorme de elementos que possam lhe-permitir estar sempre presente, pronto e "em ação" de uma forma concreta e imediata. Tambèm na vida cotidiana. O ator precisa conceber o seu trabalho como uma viagem de descobrimento sem fim, tem que pôr o limite do seu nível de exigência no ponto mais alto possível, trabalhar horas e horas pondo a máxima atenção nos detalhes, na repetição, na pesquisa permanente. No colóquio vamos falar dos elementos fundamentais e dos princípios do trabalho do ator, e de um tipo de treino, muito exigente, que pode permitir desenvolvê-los com coerência e critérios claros.

..............................................

QUINTA | 31 DE AGOSTO

09H00

SerEstando Mulheres

com Ana Cristina Colla (Lume Teatro/São Paulo)

George Mascarenhas (Mediador)

 

 

 

 

 

 

 

Em sua busca por ser-estar na cena, a atriz Ana Cristina Colla, ao longo de seus 20 anos de pesquisa junto ao Lume, visitou pessoas, cidades, mestres, recantos. Entre encontros e confrontos, foi depurando seu fazer teatral, passando pela mímesis das corporeidades, a dança pessoal, visitando o butoh, como portas para a própria singularidade.

“SerEstando Mulheres” é uma história “dançada” pela atriz, sobre si mesma e sobre outras mulheres. Uma colcha de retalhos, pedaços conhecidos e sempre ressignificados, espalhados por diversos espetáculos. A matéria que o compõe surge de momentos distintos do seu caminhar de atriz e mulher no Lume Teatro. Um encontro forte e delicado com o feminino, onde a atriz narra através das imagens que cria e corporifica, seu saber

..............................................

QUINTA| 31 DE AGOSTO

10H00

Musculatura da Imaginação: espaço, tempo, composição e convenção nos Estudos Biomecânicos.

com Maria Thais (Cia Balagan/São Paulo)

George Mascarenhas (Mediador)

A residência é uma experiência prático-teórica dos elementos poéticos que operam a cena e a atuação meierholdiana. A partir dos procedimentos cênicos propostos para o ator pelo encenador russo V. E. Meierhold no Estúdio da Rua Borondiskaia entre 1913 e 1916, e que foram organizados nos estudos biomecânicos, após a Revolução de 1917, serão investigados os princípios expressivos para o movimento cênico elaborados por Meierhold e seus colaboradores, que revelam a estreita articulação entre o trabalho do ator e a composição da escritura cênica.

..............................................

QUINTA | 31 DE AGOSTO

11H00

O que lembra o Cordobazo

com Silvia Villegas. (Argentina)

George Mascarenhas (Mediador)

O conceito de treinamento do ator foi radicalmente criticado pelo Libre Teatro Libre. No entanto produções culturais consideram o teatro uma ferramenta de transformação social. Assim, o grupo está fortemente determinado pela opção política em ordem à ideologia marxista fundado no materialismo dialético. A improvisação se converte em metodologia e prática da construção teatral. Um dispositivo de experimentação, jogo, análise e autoconhecimento tanto como desenvolvimento de temas, personagens e situações que resolver e apresentar. Adoptam os procedimentos brechtianos de montagem e composição. Se constituem como grupo de teatro e questionam a autoridade do diretor. Pegam da realidade ao seu entorno os temas e da história social do país os conteúdos para definir seus trabalhos. Frente à ausência de cânones tradicionais para a construção do acontecimento teatral assumiram cada um dos integrantes do grupo as tarefas da criação dramatúrgica e encenação que, na tradição teatral burguesa estão potencializadas em múltiplas funções diferenciadas e sob a autoridade do ator, improvisações, trabalho de análise documental, composição cênica a partir das opções dos atores. O ator assume uma responsabilidade artística social declarada e explícita que o converte em militante do teatro político.

SEXTA | 01 DE SETEMBRO

09H00

O Treinamento do ator no percurso criativo de Jersey Grotowski

com Lidia Olinto (Rio de Janeiro)

George Mascarenhas (Mediador)

O livro Towards a Poor Theatre (Em Busca de Um Teatro Pobre), publicado em 1968 e traduzido para diversas línguas, influenciou muitos artistas e companhias, principalmente na Europa e nas Américas, transformando-se em uma espécie de “bíblia do teatro moderno” (Osinski, 1979). O livro reúne textos de diferentes tipos e de autores distintos, dentre os quais alguns descrevem e analisam os treinamentos desenvolvidos na década de sessenta pelo Teatro Laboratório, grupo polonês dirigido por Jerzy Grotowski. Como relata Barba (2006), o treinamento físico-vocal, a princípio, teria surgido para resolver problemas técnicos específicos dos atores na montagem de Akropolis (1962). Nesse sentido, num primeiro momento, os exercícios serviam como uma ferramenta diretamente ligada ao processo criativo, isto é, tinham como objetivo a aquisição de certas habilidades técnicas para a cena. Todavia, posteriormente, o treinamento passou a ser uma atividade autônoma, não relacionada às montagens em si, e que visava o “desbloqueio” psicofísico do ator e não mais uma virtuose cênica (conceito de via negativa). E ao longo do percurso artístico de Grotowski, o treinamento foi se transformando profundamente, tendo não só novos tipos de exercícios, como novos formatos, propósitos e concepções. Nesta conferência, serão explorados, numa perspectiva histórica, os diversos treinamentos grotowskianos.  

..............................................

SEXTA | 01 DE SETEMBRO

10H00

O Ator Autor

com Diogo Aramburo - KIKNTEATR (Bolivia)

George Mascarenhas (Mediador)

SEXTA 01  DE SETEMBRO

11H00

“Eu sou somente um ator”. “Somente um ator”.

com Maria Dodera (Uruguai)

George Mascarenhas (Mediador)

Ferramentas para potenciar a musculatura da criatividade e do discurso autoral no ator (palestra teórico-prática para atores/atrizes, dançarinos, coreógrafos, diretores.

..............................................

..............................................

 

Ator jogando seu próprio jogo. O teatro como dessacralização. A perda da religiosidade. Antropologia e sociologia. A mimesis. O engano. O jogo como nexo de união entre indivíduos membros de uma coletividade.  As regras. O procedimento. Ator em fronteira. Pessoa/personagem. Status de atuação. Atuação Zero ou teatro da morte. “Eu sou meu texto”. O ator e sua dramaturgia, apoiando-se na cena, a partir do teatro mesmo, a partir do presente, ser provocado à intervenção dramática.

SEXTA | 01 DE SETEMBRO

12H00

Um Corpo Manifesto dentro da Performance Art

com Roberta Nascimento (Bahia)

George Mascarenhas (Mediador)

Um corpo carrega nele toda sua história, e a minha é de uma mulher periférica que encontrou na arte uma maneira para manifestar suas inquietações frente as injustiças sociopoliticas de nossos tempos. Com minhas obras arrisco mudar o mundo no qual estou inserida, só assim faz sentido viver. Compartilharei os caminhos que trilho para fazer de meu corpo um Corpo Manifesto.

FESTIVAL INTERNACIONAL LATINO AMERICANO DE TEATRO DA BAHIA-FILTEBAHIA

OCO TEATRO LABORATÓRIO © 2019